sexta-feira, 10 de setembro de 2010

vai passar, tu sabes que vai passar..

''Vai passar, tu sabes que vai passar.Talvez não amanhã, mas dentro de uma semana, um mês ou dois, quem sabe? O verão está ai, haverá sol quase todos os dias, e sempre resta essa coisa chamada " impulso vital ".
 Pois esse impulso às vezes cruel, porque não permite que nenhuma dor insista por muito tempo, te empurrará quem sabe para o sol, para o mar, para uma nova estrada qualquer e, de repente, no meio de uma frase ou de um movimento te supreenderás pensando algo como " estou contente outra vez ". Ou simplesmente " continuo ", porque já não temos mais idade para, dramaticamente, usarmos palavras grandiloquentes como "sempre" ou "nunca". Ninguém sabe como, mas aos poucos fomos aprendendo sobre a continuidade da vida, das pessoas e das coisas. Já não tentamos o suicidio nem cometemos gestos tresloucados. Alguns, sim - nós, não. Contidamente, continuamos. E substituimos expressões fatais como "não resistirei " por outras mais mansas, como "sei que vai passar".
 Esse o nosso jeito de continuar, o mais eficiente e também o mais cômodo, porque não implica em decisões, apenas em paciência. Claro que no começo não terás sono ou dormirás demais. Fumarás muito, também, e talvez até mesmo te permitas tomar alguns desses comprimidos para disfarçar a dor. Claro que no começo, pouco depois de acordar, olhando à tua volta a paisagem de todo dia, sentirás atravessada não sabes se na garganta ou no peito ou na mente - e não importa - essa coisa que chamarás com cuidado, de "uma ausência".
E haverá momentos em que esse osso duro se transformará numa espécie de coroa de arame farpado sobre tua cabeça, em garras, ratoeira e tenazes no teu coração. Atravessarás o dia fazendo coisas como tirar a poeira de livros antigos e velhos discos, como se não houvesse nada mais importante a fazer. E caminharás devagar pela casa, molhando as plantas e abrindo janelas para que sopre esse vento que deve levar embora memórias e cansaços. Contarás nos dedos os dias que faltam para que termine o ano, não são muitos, pensarás com alívio. E morbidamente talvez enumeres todas as vezes que a loucura, a morte, a fome, a doença, a violência e o desespero roçaram teus ombros e os de teus amigos. Serão tantas que desistirás de contar. Então fingirás - aplicadamente, fingirás acreditar que no próximo ano tudo será diferente, que as coisas sempre se renovam. Embora saibas que há perdas realmente irreparáveis e que um braço amputado jamais se reconstituirá sozinho. 
Achando graça, pensarás com inveja na largatixa, regenerando sua própria cauda cortada.(...)''


-
Caio Fernando Abreu. Inconfundível.

Um comentário:

  1. Amei esse texto! Lindo. *-*
    E se resolvêssemos parar, deixar tudo de lado, não seguir em frente, abandonar a possibilidades de tantas coisas boas e felizes no futuro?! Valeria mesmo a pena, desistir tão cedo de recomeçar?
    Talvez, a vida seja mesmo um grande recomeço, e talvez seja isso que nos ajude a crescer, a mudar, e sim, mesmo sendo um tanto clichê, nos ajuda a ser mais fortes!
    Penso que cada vez que levantamos e seguimos em frente, após uma grande perda, é sim uma forma de regeneração, mesmo que esta não seja perfeita e completa.
    Mil beijos. C=

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails